Já apresentei em outros artigos de minha autoria o trabalho do CNO - Chief Networking Officer pode ser uma excelente oportunidade de carreira para mulheres executivasexecutivos seniores e jovens executivos. Além disso, destacamos a relevância contemporânea das redes sociais para o RH. Agora, veremos como um departamento inteiro e de grande valor estratégico potencial como o de Recursos Humanos pode contribuir decisivamente para o sucesso da atuação do CNO na empresa. Eis três pontos de ação:

1) Dentro das atribuições do RH, temos o treinamento. Uma das primeiras atividades é recrutar colaboradores interessados em contribuir para a empresa através do ferramental de redes sociais. Essa ação será voluntária, mas de extrema importância. O CNO treinará os voluntários a usar as redes sociais em favor da empresa com aplicação, tanto para negócios, quanto para recrutamento e seleção.

A explicação é muito simples. Com o advento das redes sociais, a grande maioria dos profissionais já possui um perfil e uma rede de contatos cujo tamanho médio é de 250 pessoas. Pois bem, se estamos falando de uma grande empresa com mil colaboradores, estamos considerando uma rede expandida em segundo grau de 250 mil contatos. Logicamente que teremos diversas redundâncias, mas, ainda assim, temos uma população do porte de uma cidade de tamanho médio. Imagine se a empresa consegue aumentar a média para mil contatos por colaborador com o treinamento?

Todas essas pessoas são potenciais stakeholders ao redor do negócio da empresa, i.e., clientes, fornecedores, investidores, contatos de mídia, canais de distribuição etc. Na medida em que a empresa ativa esse mega canal de comunicação, através das redes sociais, ela se posiciona fortemente na mente desse público-alvo e começa a atrair uma série de oportunidades ao seu redor.

Essa atividade acontece tanto no mundo on-line quanto no mundo real. Se a empresa já tiver criado uma rede social corporativa, os colaboradores poderão convidar todos os seus contatos do mundo on-line e do mundo real a participar da mesma na medida em que são agrupados de acordo com seu posicionamento na matriz destakeholders. Para tal, é imperativo que a empresa já os tenham segmentados em grupos de clientes, fornecedores, canais e assim por diante.

2) Um outro papel importante do RH é o de identificar possíveis gestores de relacionamento dos diversos grupos de stakeholders nos mais diversos departamentos da empresa. Essa atividade, inicialmente voluntária, pode gerar dividendos muito interessantes para o profissional na medida em que os resultados começarem a aparecer.

3) Por fim, o RH também é fundamental no desenvolvimento de uma política de mensuração e recompensa dessa atividade. Os benefícios podem ser acordados, caso a caso, de diversas formas como, por exemplo, valor fixo pelo resultado específico, promoções com natural aumento de salário, cursos avançados, oportunidade de representar a empresa em fóruns relevantes, entre outros. 

Conclusão: quanto mais profundo for o engajamento do RH com o trabalho do CNO, mais rapidamente, a empresa sentirá os efeitos imediatos dessa nova abordagem de negócios. Um RH verdadeiramente ativo e estratégico é um efetivo centro de geração de receitas múltiplas para a empresa.


Artigo publicado no RH.com.br em 25.01.2011