Quando falamos em empreendedorismo tecnológico, voltamos sempre a eterna questão do que vem primeiro: o ovo ou a galinha, i.e, o produto básico ou o aporte financeiro para tal.



Numa situação tão imprevisível quanto um start-up de base digital em que tudo está ainda no campo das premissas, das hipóteses e das probabilidades, fica muito difícil mensurar e avaliar as potenciais taxas de risco e/ou sucesso de um empreendimento. Qualquer cálculo sobre valuation é na melhor das hipótese...


Continuar lendo...